terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Estrangeirismo no Brasil


O estrangeirismo em nossa língua já é freqüente em nosso cotidiano e isso não vem de hoje. Tudo isso devido o fato, de nós termos sido influenciados por inúmeras culturas, seja européia, oriental, africana, latina ou da América do norte, mais precisamente dos americanos.

A primeira grande influência veio dos franceses. No começo do século passado, a burguesia paulistana e carioca, só falavam fazendo “biquinho”, para puxar o sotaque inexistente. Daí foi incorporado em nosso idioma palavras como: restaurant, filet, manchette, garçon, vernissage, écharpe, tricot, abajur, chofer, butique, laquê, bisturi, bureau, buquê, boné, toalete e purê.

Isso porque, a França do começo do século, era referência de elegância e sofisticação. Hoje, porém a referência é dos americanos, seja pelos filmes que nos tomaram de assalto ou pela sua influência econômica e sócio cultural.

Hoje não existe mais nenhuma forma de discriminação, todos podem usar termos derivados do inglês. Hoje a criança não vai brincar no parquinho, ela vai ao Playground, a cerveja depois do expediente é Happy hour, o restaurante de comidas rápidas é mais conhecido como Fast Food e por ai vai. Até o “Oxente”, dito pelos nordestinos, é uma variação abrasileirada do “Oh Shit”, dito pelos gringos que por lá passaram.

Como já dizia o dramaturgo e escritor brasileiro Nelson Rodriguês, “O Brasil sofre de complexo de Vira Lata, é um narciso às avessas, que cospe na própria imagem”. Isso poderia explicar o fato de não termos tanto cuidado em preservar nossa cultura. Como todos nós sabemos que a árvore genealógica dos brasileiros, não é algo simples de ser decifrada, mas isso é devido o fato da miscigenação, pois o brasileiro não tem cara muito menos auto-imagem, todo mundo pode ser confundido com brasileiro, já percebeu?

Existe até pesquisas, que dizem que o brasileiro prefere marcas e lojas que tenham nomes estrangeiros como: Brooksfield, Calvin Klein, Marlboro, Burguer King, Mc Donald's, All Star, Nike entre outras marcas.

O Aldo Rebelo do PC do B, não gosta nada, dessa invasão de termos estrangeiros em nosso país. Tanto é que um projeto de lei de sua autoria, quando era deputado federal, foi aprovado em março de 2001 na Câmara dos Deputados. O projeto restringe o uso de palavras estrangeiras e obriga o uso da língua portuguesa por brasileiros natos e naturalizados e pelos estrangeiros residentes no Brasil há mais de um ano. O projeto rege o ensino e a aprendizagem; o trabalho; as relações jurídicas; a expressão oral, escrita audiovisual e eletrônica oficial e nos eventos públicos nacionais; os meios de comunicação de massa; e a publicidade de bens, produtos e serviços.

Em Portugal, tudo é lido como se escreve, apesar de terem a fluência no inglês, os lusitanos se recusam em chamar o mouse do computador de mouse, para eles é rato e ponto final. Na França também existe leis que proíbe qualquer tipo de estrangeirismo em solo francês, isso para muitos é xenofobia, mas para outros, é a preservação da língua e da cultura do país.

Mas não são somente os termos estrangeiros que nós adotamos, até os feriados nós importamos. Reveillon por exemplo, significa “despertar” em francês, a palavra surgiu no século 17 para identificar eventos populares entre os nobres franceses.

No Brasil o reveillon chegou no século 19 na corte de Dom Pedro 2º, no rio e logo se estendeu para a elite paulista. E depois a festa tornou-se popular e foi incrementada, com tradições de várias culturas. De tradições européias a africanas.

Já no dia 1° de novembro é comemorado o halloween, seja em escolas de idiomas, repartições ou em festa a fantasia. O dia das bruxas, que é originária da tradição Celta e, que ficou popular nos EUA, tornou-se popular também em terras tupiniquins. É mais fácil algum pentelho tocar a campainha com aquela história “doces ou travessuras”, do que alguém lembrar que também é comemorado o dia do Saci-Pererê.

Por tanto que fique o meu protesto, para que no próximo ano comemoremos o dia do Saci, pelo fato de representar o folclore brasileiro e de ser um legitimo afro-descendente portador de necessidades especiais.

PS. E não esqueça no próximo 1°de novembro vamos pitar o cachimbo ao invés de abóboras enfeitadas e doces e travessuras, OK?

36 Comments:

Junior Silva said...

Já bati muito nessa tecla em fóruns pela internet afora, mas acho que muitos não estão nem aí pra essa questão. Já ouvi pessoas dizerem que seria muito melhor o Brasil adotar o inglês como segunda língua.
Absurdo sem tamanho...

Ana Lucia Nicolau said...

concordo com você, às vezes fico sem paciência de tanto "americanismo" etc.

Picolé de Chuchu said...

Tem presente do Picolé de Chuchu pra vc!!!


Passa lá !!


http://wwwpicoledechuchu.blogspot.com

ElviS said...

Seu blog e realmente muito bom, tem muitas informações e úteis. E concordo com voce e tambem com a Ana, ali em cima, tambem fico louco com tanto "americanismo!"
Parabens pelo blog, ja é a segunda vez que estou o acessando.
:D

Leo Pinheiro said...

Ótimo tema, Homenzinho!

Anglicismos e galicismos à parte, noto que existe o outro lado da moeda: Ninguém mais faz download, mas baixa arquivos...

Ou seja, a língua está em eterna transição. E isso tem um lado bom, na minha visão.

AYLA said...

Eu não ligo nem um pouco para isso acho que as pessoas devem se expressar da maneira que querem e se sentem bem sem regras de como ela deve falar.
Controlar até nossa maneira de falar é uma idéia para mim impenssável.

Tatá...;) said...

é né...infelizmente o brasileiro é um povo influenciado que acaba esquecendo o orgulho pela propria cultura facilmente...
eu tambemnum gosto muito desse "americanismo".
essa do oxente eu naum sabia...

bjus
http://taynalu.blogspot.com/

P. Florindo said...

Acho que o estrangeirismo vem sendo usado de forma exagerada, sim. Se houver uma palavra equivalente na língua portuguesa, eu faço o uso dela.

Concordo com a sua opinião e acho que nós, brasileiros, temos mesmo o complexo de vira-lata. E é uma mania besta essa de as empresas quererem parecer "chic" para um povo que fala merda, caralho com frequência.

50% off, living room, WC, ladies free, réveillon, (...) party, loft, playground... Todas desnecessárias.

Acho que as pessoas deveriam dar um "upgrade" em seu vocabulário. Eu só uso estrangeirismo quando não existe MESMO uma equivalente no português.

Acho que o projeto de lei é válido porque está havendo um uso exagerado de palavras estrangeiras. Os franceses supervalorizam a língua deles mesmo. Se você chegar lá falando inglês, eles vão entender, vão te responder tudo em français.

Marcelo said...

Acho uma palhaçada esse negócio de hallowen e, por fim, creio que Aldo Rebelo é a pessoa menos adequada para falar/legislar sobre a língua e é a que mais se considera no direito.
Abraços

L. Kerr said...

Ééé.. E money que é good nós não have...

Nathália :) said...

eu nunca tinha prestado atenção nisso, no qnt as expressões estrangeiras influenciaram o nosso cotidiano oO' E as expressões brasileiras ? existem em outros paise s ?
ah que coisa ¬¬'

Thiago Damião said...

Isso ae vamo pita o cachimbo, mas com que? erva?
UASHUIAHSUIAHSUIAHSUIAHSUIHAUIS
brincadeira

O estrangeirismo é típico do brasileiro, que tem a mania de imitar e importar coisas vindo dos yankes, como estilo de vida, ideologias, e as palavras que são ´´adotadas´´ no nosso vocabulário.

Jux said...

sim, eu concordo com o abuso do uso de palavras inglesas, mas isso não ocorre só no brasil, não devemos achar q é um fenômeno nosso, de país pobre q necessita dos estrangeirismos.
Na itália por exemplo, qndo vc quer dizer q está solteiro vc diz "io sono single" e por aí vai. É a língua mais ouvida, consumimos musicas e filmes de lingua inglesa, e quem ouve reproduz, não há lingua homogenea, livre de influencias...
a língua é viva e se mistura e vc quer uma lingua engessada...
voltemos ao galego-português!!

Homenzinho de Barba Mal feita said...

Jux, Acho que você não entendeu o meu ponto de vista. Eu quis mostrar a quantidade de termos estrangeiros que nós adotamos. E não só os termos mas sim o modo de pensar e até os feriados como o Hallowen, por exemplo. a lingua é livre e pode ser dita como quiserem, eu não sou a favor do português engessado, mesmo porque eu tenho consciência que o inglês influência várias nacionalidades, além dos pobres, como você mencionou.
Mesmo porque o Brasil foi construido através da influência de varios povos. E pedir um português engessado é algo realmente impossível, pela nossa árvore genealógica.

KGeo said...

engraçado essas lingua misturada

Diego?Glommer?Chuck? .? said...

hahaha!

É o mal da globalização, meu caro.

Se começou como tendência burguesa, hoje em dia é massificação pura dos modos de agir, falar e até pensar.
Felizmente, nem tudo vem de graça e algum senso crítico, mesmo que não venha de todos os lados, ainda existe.

Parabéns pelo excelente blog.


http://marmotatomica.blogspot.com

TransGreSSivaS said...

Esse amecicanismo é normal!
Afinal o ingles é unversal!
é uma fatalidade , mas é real!

Bye bye Hanny!

http://transgressivas.blogspot.com/

CΛ۷¡ИΔТΏ said...

Oi dediquei um selo pra você no meu blog, é só passar lá e pegar. Parabéns e sucesso!

Jux said...

First of all, thanks pelo coment no meu blog.
Secondly, eu entendi perfeitamente o seu ponto de vista, e agora se mostrou um pouco mais flexivel...
a questão é que, tratando de um assunto como esse, entramos num ponto que dá muito pano pra manga, o dos nacionalismos, da tão procurada identidade nacional (e vc colocou isso no post). O meu grande medo quando leio coisas desse tipo é de radicalismos q não levam ninguem a coisa alguma. Podemos achar q somos menos brasileiros devido a agregação de tantos elementos de fora. Será? Um dos elementos q "unem" uma nação é a língua e a cultura, e é exatamente no periodo de formação dos estados nacionais q temos a criação dos primeiros tratados de gramática.O q te faz brasileiro? Falar português, nascer num território chamado brasil, ter uma mitologia própria? São coisas q devemos questionar sim e sempre...
Eu prefiro ver como Mário de Andrade, ver o Brasil como um país que não é "sem cultura", somos diferenciados e unicos exatamente por essa diversidade. Que fique claro, não estou te criticando, apenas dando um contrapeso, queria muito q pessoas parassem pra pensar em algumas questões desse tipo (não é pra concordar, nem discordar)... Qndo exaltamos uma lingua, automaticamente estamos querendo exaltar a nação, e no nosso caso uma nação q não consegue se posicionar direito no mundo (e é desse desejo q nascem todas as tentativas de criação de identidade, do malandro, do zé carioca, do homem cordial, do jeitinho brasileiro, do jeca tatu, etc). Mas o buraco é mais embaixo...
so...
take it easy baby!!

mateusbonez said...

muito americanismo irrita, isso é fato. muito bom :D

http://tiomah.blogspot.com/

Nat Valarini said...

Bom dia homenzinho!

Protesto louvável!

Sei que vivemos num mundo globalizado, mas isso não deve ser usado como desculpa para justificar certos exageros, sabe?

Há certas coisas que poderiam sim ser usadas no bom e velho português.
Outro dia, eu assistia a um documentário sobre dialetos indígenas e o desaparecimento de diversos idiomas ao passar do tempo. Se não tivermos o cuidado de preservar nossa língua, por mais defeitos que ela tenha, a tendência é que ela sofra tantas mutações que estaremos fadados a vê-la desaparecer.

Kiso
=*



http://garotapendurada.blogspot.com/

Vinicius Yuri said...

Já fui muito apedrejado por isso, mas não tenho vergonha de dizer que eu gosto desse "americanismo"...

O Brasil, por mais que se tente dizer o contrário, não tem uma personalidade própria.

Somos mistura de portugueses e índios e americanos e franceses e espanhóis e alemães e japoneses e africanos e...

Somos um país de todos, esta é minha opinião. E, como tudo neste mundo, a maneira de se expressar está em constante mudança.

Como você mesmo disse, recusar o estrangeirismo pode ser xenofobia. Não entendo o problema de se escrever "Pizza Delivery" ou invés de "Entrega de Pizza". A idéia foi passada e entendida. Esta é a função das palavras.

http://greenbedroom.blogspot.com

meublog said...

interessante bom na aula de historia kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

cahierdemarie said...

Sim, sim.. concordo com vc.. mas, não se pode mudar o q ja está a séculos no brasil, não acha? tbm acho ruim o estrangeirismo. amo a língua portuguesa e para mim ela é a mais bonita do mundo. Mas, existe um fator chamado globalização e não podemos deixá-lo de lado. A língua portuguesa tem q ser mais valorizada na minha opinião, assim bete de frente com os estrangeirismos.. enquanto as marcas, bem eu amo a Marlboro(rsrsrsrsrs), mas vivemos no capitalismo não? e com o liberalismo econômico.. o q se pode fazer?

Diego?Glommer?Chuck? .? said...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pablo Basilio said...

Eu acho tão boba esta maneira de anunicar uma liquidação.

Obrigado pela visita ao meu blog, e obrigado por ter comentado.Passarei por aqui mais vezes.

Joshua said...

Isso só mostra a aculturação que existe no Brasil.

É péssimo mas é a verdade.

Leo Pinheiro said...

Kadan, em toda a seriedade e pertinência do seu texto eu fui me apegar logo ao Saci.

Afro-decendente portador de necessidades especiais foi ótimo! kkk Pq seria muito politicamente incorreto falar de um neguinho, fumante e perneta!

Como sempre, parabenizo-o pela perfeiita alquimia entre o texto informativo e o bom-humor! Abç

Leo Pinheiro said...

P.S.: Vc é um negão tão maneiro quanto o Obama, usa terno, se expressa bem...

O que está faltando para se candidatar à Presidência? :D Outro abraço, Leo Pinheiro

Palhacada Hein said...

aah.
eu gosto do estrangeirismo. =x

Carlos Junior said...

concordo cara

afinal nos somos brasileiros

e nao americanos

Bala Salgada said...

Eu sou contra esse estrangeirismo mas acho que não há muito o que fazer, à começar que é preciso falar outra língua em trabalhos que muitas vezes nem vamos usar.

Mas você tem que ver a situação no Japão, 7 a cada 10 palavras são inglês, e ainda aquele inglês boniiiiiiiiito...

tati said...

Ah... o estrangeirismo é um fenômeno natural, aumenta o poder expressivo das línguas, esbate a diferença de idiomas, tornando-os mais compreensivos, e facilita a comunicação de idéias gerais... a questão está em limitar o uso e não permitir abusos... concordem que nossa cultura ja é acostumada em assimilar varios tipos de idiomas, não podemos deixar de adotar, contanto que essa importação linguística seja usada de acordo com o necessário, de forma controlada...

Anônimo said...

Domínio americano? Pode ser...

Mas queira ou não, o Inglês é a língua universal.

Aquele mensaleiro FDP chamado Aldo Rebelo quis acabar com o ensino de Língua Inglesa nas escolas, alegando que é um privilégio de poucos... Claro! Privilégio é estar aí em Brasília nos roubando e rindo da nossa cara!

Vamos pensar numa coisa, muitos concordam com a adoção da Língua espanhola ao invés de Inglês, certo? Agora eu pergunto?

*O pen drive foi inentado na Argentina?

*Quem é o dono da Microsoft? Hugo Chaves(z)?

*A maioria desses programas de computador, jogos eletrônicos, e a grande parte da tecnologia mundial, vem de onde, heim, CARA PÁLIDA?

Entretanto, toda a tecnologia é comercializada no Paraguai (há, há, há, há, há,...) "Muchacho"!

Nós, brasileiros, temos que babar ovo dos nossos "hermanos" que EMBARGAM NOSSA CARNE, NOSSO COURO, NOSSOS PRODUTOS EM GERAL, FECHAM A PETROBRÁS NA BOLÍVIA... Nós temos que dar consideração a eles? Vão pro INFERNO!

Os Argentinos, por exemplo, nos chamam de MACACOS! Não ficou só naquela vez do jogador Grafite, do São Paulo, lembram? Eles são racistas, mas quando vêm ao Brasil, fazer TURISMO SEXUAL, pedem logo uma mulata!

So, my friends, English is spoken all over the world. We haven't denied. Some African's countries, even IN HUNGRY, have a second language, generally, ENGLISH!
FUCK ALL POLITICANS, FUCK ALL LIARS and FALSE MORALISTS. FUCK THE USA too. We have right to learn English do!

Sutto said...

Muito interessante seu blog.
Mas nada contra palavras estrangeiras, até pq já estamos tão acostumados. E outra coisa; algumas pessoas podem até reclamar e espernear; mas não vai mudar, e temos coisas mais importantes para cuidar, não concorda. Visite meu blog: www.perigosa-mente.blogspot.com

Déh said...

Olá...realmente seu blog é encantador...
estava apenas fazendo uma pesquisa para o colégio, mas achei mega interessante seu texto sobre o estrangeirismo...
De fato...acabar 100% com as palavras estrangeiras seria impossivel a essas altura, mas poderiamos sim buscar uma forma de ampliar o nosso proprio vocabulário sem ususrpar as palavras de outros lugares...

Não podemos perder nossa identidade por causa desse estrangeirismo abusivo!!
Adorei o blog, volteri mais veses!!

Beijos a todos

BlogBlogs.Com.Br