sábado, 24 de janeiro de 2009

Idioma Coorporativo


Outro dia eu ouvi o consultor de empresas, Max Gehringer (aquele do Fantástico), falando sobre a questão dos chefes usarem termos que não prezam pelo entendimento geral. Seja nos relatórios indecifráveis ou no exagero dos termos em inglês.

Eu mesmo já trabalhei com gerentes, que se comunicavam através desse idioma. Executivo moderno que se preze, tem que usar um ou dois termos em inglês em cada frase. Não é necessário, mas mostra que o cursinho de inglês onde aprendeu o verbo To Be, ainda funciona.

Você o reconhece logo na reunião quando ele diz que trabalha Full Time ao invés de dizer que trabalha tempo integral, ou quando ele diz que acessou seu networking, ao invés de dizer que arrumou um emprego de auxiliar geral para seu cunhado.

Imagine então um chefe, que chama o seu auxiliar e diz: "Preciso começar o meu relatório do mês, e me faltam as informações de vendas. Dá pra você cobrar?" O subordinado, com certeza, vai sair da sala sem muito entusiasmo. Mas, se o chefe disser: "Preciso dar o start-up do meu report, mas pelo meu check-list falta o database, você faria um follow-up?" Aí, o auxiliar sai, não sem antes responder: "Yess!!"

O mundo coorporativo tem seu próprio idioma e dominar tal idioma dentro de uma empresa, significa status. Geralmente quem pronuncia tal idioma é a gerência e a diretoria. Muitas vezes não há necessidade, mas não adianta tentar simplificar quando a alta hierarquia tem o prazer de complicar.

Tem chefe que ao invés de pedir para trocarem a lâmpada queimada, pede a implementação e a substituição estratégica do equipamento periférico, para gerar o alto grau de luminosidade adequada ao ambiente criativo.

Se algum chefe disser que você precisa avaliar as vantagens da implantação imediata de um programa emergencial de governança financeira domestica balanceada, estará te aconselhando, a maneirar no cheque especial.

Agora se te pedir para estabelecer prioridades energéticas operacionais em detrimentos de impulsos que possam redundar em um processo de excesso calórico, estará pedindo para não comer doce fora de hora (no meio do expediente principalmente).

E se te pedir para esquematizar a agenda de atividades, de maneira a criar um guet-vital para o atendimento imediato as demandas biológicas essenciais, estará te pedindo para tirar um cochilo.

Então se você quer subir de cargo em sua empresa comece o cursinho de inglês da paróquia de sua cidade e a traduzir os relatórios de seu chefe, para também ter fluência no idioma coorporativo, para poder complicar um pouco mais.

41 Comments:

Senora Abravanel said...

huahauahuha. É verdade. Pior que isso é ter que aprender o latim para entender o "dialeto" dos advogados.

Data venia,

Senora Abravanel
___________________________
http://rgdefeituoso.blogspot.com/

Leo Pinheiro said...

Caro Colaborador, todos os grandes players do mercado fazem isso.

Parece-me que vc está out do busisness world...

Espero que isso não atrapalhe nosso relationsheep, ok?

Hehe não resisti!

Leo Pinheiro said...

P.S.:Valeu pelo comment, mas...

Volte lá para comentar sobre o novo Imperador do mundo! rs

Casa do Besouro said...

Precisamos de um dicionario de expressões coorporativas xD

www.casadobesouro.blogspot.com

André said...

Max Gehringer - fui dar ouvidos a este infeliz e desgraçado e botei fora um ano da minha vida - peguei um nojo deste cara tche...nao posso nem ouvir falar o que ele diz
nem sempre da para aplicar na vida da gente o que outros dizem. abraços

Nat Valarini said...

Boa tarde Kardan!

HeHe...

Sabe, lendo o teu texto, lembrei-me de uma canção do Zeca Baleiro que diz: "Venha provar meu brunch. Saiba que eu tenho approach. Na hora do lunch. Eu ando de ferryboat..."

kkkkkk...

Nossa, eu me sentiria um ET num lugar desses.

Me deu até um certo alívio de lembrar que meu curso começará em Fevereiro!

hihihi...

Kiso
=*


http://garotapendurada.blogspot.com/

Mendez said...

Haha... Boa mesmo!
O ambiente que eu tou tratando constantemente é o jurídico, e a linguagem dos operados do direito é altamente empolada! Mas já vem surgindo um movimento de simplificação da linguagem, justamente pra deixar mais democrático o acesso aos direitos.
No ambiente corporativo, é, ao contrário, uma espécie de teste de conhecimento, que, talvez, poderia ser avaliado de modo mais eficiente, e não avaliando a capacidade que cada um tem de decorar jargões... hehe...

Katielle said...

rsrs
Pra que complicar tanto?

TEm que ser criado um dicionario pra isso...




http://fortalezadevidro.blogspot.com/

Inez said...

Isso é a mais pura verdade, pior que muitos nada entendem o que estão falando.
Gostei.

Joker said...

Tem gente q acha que o vocabulario usado depende do local onde voce estah! Eu axo q nao! Nao adianta falar bonito e ninguem entender! temos q falar pra q os outros nos entendam!!
----------------
http://joker.mimhospeda.com/

Juliano Jacob said...

Maravilha... Conheço muitos que se comunicam assim tb... "Feedback", "Target", dentre outros...

Antonoly said...

Os babacas aqui no Brasil correm atrás de aprender o Inglês, para agradar os chefinhos e conseguir manter o emprego, agora, vê se lá no exterior os gringos estão se importando em aprender a falar Português????
Por isso que o Brasil é essa merda!!

Tainá said...

Copos de whiskys, clareiam nossas mentes. e por horas nos anestesiam de tal forma que da vontade de beber sempre, sempre. Parabéns pelo seu blog. Você escreve de uma forma totalmente compreensivel, diferente de alguns que falam palavras e mais palavras complicas e no final do texto estamos babando e com cara de panacas.

Lari. said...

Entendo que existam termos específicos de cada área e em cada coorporação. Termos que realmente são necessários nos relacionamentos empresarias internos e externos. O pessoal que conhece adoooooora usar e por isso é justo dizer que quem quer brincar tem que descer pro playground sabendo as regras do jogo. Mas, exageros são sempre mal vindos!

Gúh! said...

kkkkk

esse dialeto é tão complexo que chega a ser comico em algumas situações

;)

Por Ricardo Cazarino said...

Olá rapaz!
Obrigado pelo comentário!!!
Adorei seu espaço aqui..tens toda razão...uma investida no inglês não faz mal a ninguém...mas de fato, esses patrões atordoados sempre em ganhar status acabam por exagerar nas expressões.
abs

João Henrique said...

Essas expressões coorporativas são complicadas.

http://blogdojoaoh.blogspot.com/

Joshua said...

Vc esta correto. O pior é que 90% desses empregados que usam esses termos n sabem de nada. Se vc perguntar a eles quem fundou nova york, eles nunca falaram que foram judeus, Adam Smith, eles se quer passaram da primeira página, Ilhas Mauricio, nunca ouviram falar, de politica querem distancia por n terem capacidade para discutir.

Esses são os mega executivos que falam inglês o tempo todo.

Abcs

abutre236 said...

Eu faço cursinho de inglês e ate agora eu não precisei usar no trabalho.

Os exemplos de chefes que você citou no testo realmente são bem irritantes, mas não superam aqueles chefes que falam português errado. É dose.

Janine said...

"Preciso dar o start-up do meu report, mas pelo meu check-list falta o database, você faria um follow-up?" Aí, o auxiliar sai, não sem antes responder: "Yess!!"

Hã?! Como assim Bial?

que viagem se for assim eu tô perdida... num entendi quase nada, agora imagine uma empresa de comunicação com uma falha na comunicação interna! uhuuu é de dar uma gaitada bem alto!

Leo Pinheiro said...

Kadan para presidente!

Nesse eu boto! (achou que ia se livrar dos meus trocadilhos?)

Katielle said...

Indiquei seu blog para um selo...

Da uma olhada la...

xD

Bj

http://fortalezadevidro.blogspot.com/

Euzer Lopes said...

Engraçado é que parece que todo cargo diretivo numa corporativo (cargo de chefia numa empresa) parece que seus membros foram treinados na mesma escola. Todos usam as mesmas palavras, os mesmos métodos, o mesmo rebuscamento para dizer a mesma coisa: NADA.

marcos memc said...

nunca tinha parado pra prestar atençao.
mas é verdade mesmo. =p

asiuhiaushiu
bem legal

said...

É realmente um exagero.
Mas se não tem jeito.... é melhor comprar o dicionario!!!
Abços

ana . sappy said...

uhasua que maneiro, bom post!

Caroline Bigarel said...

O pior de tudo é que a gente aceita e se acostuma! rs

té +

AYLA said...

EU ACHO ISSO UMA FRESCURA SEM FIM TUDO BEM QUE NÓS DEVEMOS FALAR VÁRIOS IDIOMAS É SAUDAVEL, EU FALO DOIS IDIOMAS MAS NÃO SAIO POR AÍ FALNDO DIFERENTE SÓ PARA CHAMAR A ATENÇAO SÓ PROVOCA O CONTRÁRIO INDEPENDENTE DO AMBIENTE EM QUE ESTIVER.

KaKa Fuinha said...

huahauhauh

o atendimento de demandas biologicas eu pensei que eraq pra ir no banheiro

hauhauhauhaha



http://blogdatolinha.blogspot.com/

Rafael said...

Realmente, eu trabalho com direito empresarial e sei bem o que é isso. Uma grande confusão!

Paraticipe de nosso desafio,

www.hisdream.wordpress.com

Tuliio Mustännen said...

Gostei do texto e do blog em geral, adoro esses assuntos.
Até coloquei nos meus favoritos!
Sucesso com o blog

alan said...

ADoreii...xD

A'ZaF said...

Eu faço cursinho e acho maior legal estudar linguas estrangeiras...mesmo porque pretendo passear por esse mundão afora neah

abraços

http://paranoiaelucidez.blogspot.com/

Guilherme Santos said...

legal o texto
concordo
assahuashasha

Leo Pinheiro said...

Conferi mais 2 selos de qualidade ao seu blog. Passe no meu blog para copiar e colar o selo!

Abç, O Cri-crítico.

Casa do Besouro said...

Acho que você captou perfeitamente o que eu quis transmitir com o texto.Acha que deveria haver uma continuação da história da Tânia?

www.casadobesouro.blogspot.com

30 e poucos anos. said...

Adorei seu post ... muito bom
Ja participei de reuniões com alguns executivos de multinacionais que falam exatamento como vc desccreveu. Deu até vontade de rir na reunião!!!

Agatha said...

Não tem nada tão falso, parece que o indivíduo tenta fazer um tipo quando fala inglês ou um português demasiado difícil.

Falar bonito é apenas falar certo, nada disso é necessário.

Essa matéria da Marie Claire deve ser ótima. Homens e mulheres não gostam de parceiros que não gostam de si mesmos, aliás quem não gosta de si mesmo vive se machucando. Eu vivi mas mudei e o mundo mudou.

É isso que tento por no blog, o que aprendi.

Abraços pra você!

Marcus Alencar said...

Cara, concordo com você sobre isso e me irrita muito ver essa situação no dia-a-dia. O pior de tudo é que essas pessoas nem sempre se dão conta que nem tudo é ou está subentendido, sabe, parece que tem pegar tudo no ar e na velocidade da luz. É um absurdo. Espero que tenha gostado do feedback apreciativo que recebeste no meu comentário, srsrsrsr

Parabéns pelo post.

Bala Salgada said...

Realmente não é nada legal, fazem tipo pelo jeito.
Parece outra língua.

Junior Silva said...

Pois é, nunca trabalhei em áreas assim, mas como trabalhei bastante tempo com manutenção, tinha vezes que eu demorava a entender que o chefe de um departamento queria que eu trocasse uma lâmpada ou tomada...

Abraços.

BlogBlogs.Com.Br