sexta-feira, 26 de junho de 2009

Desordem no Tribunal


Estas pérolas foram retiradas do livro "Desordem no tribunal". São coisas que as pessoas realmente disseram, e que foram transcritas textualmente pelos taquígrafos, que tiveram que permanecer calmos enquanto estes diálogos realmente aconteciam à sua frente.


Advogado: Qual é a data do seu aniversário?
Testemunha: 15 de julho.
Adv. : Que ano?
Test. : Todo ano.
_____________________________________________
Adv. : Essa doença, a miastenia gravis, afeta sua memória?
Test. : Sim.
Adv. : E de que modo ela afeta sua memória?
Test. : Eu esqueço das coisas.
Adv. : Você esquece... Pode nos dar um exemplo de algo que você tenha
esquecido?
_______________________________________________
Adv. : Que idade tem seu filho?
Test. : 38 ou 35, não me lembro.
Adv. : Há quanto tempo ele mora com você?
Test. : Há 45 anos.
______________________________________________
Adv. : Qual foi a primeira coisa que seu marido disse quando acordou aquela manhã?
Test. : Ele disse, "Onde estou, Bete?"
Adv. : E por que você se aborreceu?
Test. : Meu nome é Célia.
______________________________________________
Adv. : Me diga, doutor... não é verdade que, ao morrer no sono, a pessoa só saberá que morreu na manhã seguinte?
_______________________________________________
Adv. : Seu filho mais novo, o de 20 anos...
Test. : Sim.
Adv. : Que idade ele tem?
______________________________________________
Adv. : Sobre esta foto sua...o senhor estava presente quando ela foi tirada?
_______________________________________________
Adv. : Então, a data de concepção do seu bebê foi 08 de agosto?
Test. : Sim, foi.
Adv. : E o que você estava fazendo nesse dia?
_______________________________________________
Adv. : Ela tinha 3 filhos, certo?
Test. : Certo.
Adv. : Quantos meninos?
Test. : Nenhum
Adv. : E quantas eram meninas?
_______________________________________________
Adv. : Sr. Marcos, por que acabou seu primeiro casamento?
Test. : Por morte do cônjuge.
Adv. : E por morte de que cônjuge ele acabou?
_______________________________________________
Adv. : Poderia descrever o suspeito?
Test. : Ele tinha estatura mediana e usava barba.
Adv. : E era um homem ou uma mulher?
_______________________________________________
Adv. : Doutor, quantas autópsias o senhor já realizou em pessoas mortas?
Test. : Todas as autópsias que fiz foram em pessoas mortas..
_______________________________________________
Adv. : Aqui na corte, para cada pergunta que eu lhe fizer, sua resposta deve ser oral, Ok? Que escola você freqüenta?
Test. : Oral.
_______________________________________________
Adv. : Doutor, o senhor se lembra da hora em que começou a examinar o corpo da vitima?
Test. : Sim, a autópsia começou às 20:30 h.
Adv. : E o sr. Décio já estava morto a essa hora?
Test. : Não... Ele estava sentado na maca, se perguntando porque eu estava fazendo aquela autópsia nele.
_____________________________________________
Adv. : O senhor está qualificado para nos fornecer uma amostra de urina?
_______________________________________________
Adv.: Doutor, antes de fazer a autópsia, o senhor checou o pulso da vítima?
Test: Não.
Adv.: O senhor checou a pressão arterial?
Test: Não.
Adv.: O senhor checou a respiração?
Test: Não.javascript:void(0)
Adv.: Então, é possível que a vítima estivesse viva quando a autópsia começou?
Test: Não.
Adv.: Como o senhor pode ter essa certeza?
Test: Porque o cérebro do paciente estava num jarro sobre a mesa.
Adv.: Mas ele poderia estar vivo mesmo assim?
Test: Sim, é possível que ele estivesse vivo e cursando Direito em algum lugar!!!

12 Comments:

Rodrigo Araújo said...

A ADEBRA - Associação dos Devogados do Brasil - precisa fiscalizar melhor seus afiliados...

Taty Maria said...

jesuuuuuuuuuuuus cada um mais podre que o outro uhauahuah

Felix said...

"Adv. : Poderia descrever o suspeito?
Test. : Ele tinha estatura mediana e usava barba.
Adv. : E era um homem ou uma mulher?"

As vezes acontece de uma mulher usar barba...

"Adv. : Doutor, quantas autópsias o senhor já realizou em pessoas mortas?
Test. : Todas as autópsias que fiz foram em pessoas mortas..."

Médico de sorte esse.

Mas, puxa, você esqueceu de postar aquele que o juiz pergunta se o acusado obteve êxito no suicídio.

said...

Isso não é burrice...
Isso se chama, falta do que falar.
A boa e velha encheção de linguiça.
Mandam essas pérolas para tentar enrolar o juiz ou juri.
rsrsrsrs

ALiNE PATRíCIA said...

Burrice ou falta do que falar a verdade é que esses discursos são vergonhosos... Nos dá uma idéia do nível de profissionalismo e qualificaçao da área jurídica, que ja começa a explicar muita coisa que vemos nesse país e não entendemos.

Viktor Zanini said...

Nasci dia 08 de agosto. rs
um pior que o outro mesmo..


até

Tatiana Monteiro said...

Bom dia =)
Sempre estou em seu blog, ele está em meus favoritos, mas ainda não tinha comentado nele.
Essa postagem achei muito interessante.
Isso pode provar duas coisas: o ensino no Brasil está cada vez mais deficitário ou as pessoas não têm noção alguma do que vão falar e/ou perguntar. Deve ter mais coisa ainda que dá para ter idéia, mas sinceramente me assusta ver cada coisa que somos "obrigados" a engolir.
Abraços!

30 e poucos anos. said...

Tenho até medo de precisar de um qualquer dia desses

Thiago Assis said...

muito bom uhauhauhahuuhahu
bolei de rir e ainda passei o link pra uma galera aki =p

Flavio said...

Adv. : Qual foi a primeira coisa que seu marido disse quando acordou aquela manhã?
Test. : Ele disse, "Onde estou, Bete?"
Adv. : E por que você se aborreceu?
Test. : Meu nome é Célia.


ahahahahaha, chorei nessa!!!!
muito bom o texto!!!

Ana Lucia Nicolau said...

Oi Kadan, deixei um selo pra você no meu blog Ana Lucia Nicolau, passa lá pra pegar...
http://ananicolau.blogspot.com

Fernanda Rebeca said...

Muito massa! tenho uma prima que é taquigrafa posso inmaginar o que ela passa...

BlogBlogs.Com.Br