sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Zumbi dos Palmares e a Cota Discriminatória



Zumbi dos Palmares foi um grande líder e, lutou até a morte pela igualdade entre as raças. Em 20 de novembro de 1695, Zumbi teve a cabeça cortada, salgada e levada ao governador Melo e Castro. Em Recife, a cabeça foi exposta em praça pública, visando desmentir a crença da população sobre a lenda da imortalidade de Zumbi.

Zumbi representa a liberdade o desejo de igualdade e, esse mesmo desejo revelou-se no reverendo Marthing Luther King.

Aqui em São Paulo, temos diversas obras com menção aos bandeirantes como a própria rodovia dos Bandeirantes, rodovia Anhangüera, que significa Grande Diabo e, essa era a alcunha do bandeirante Bartolomeu Bueno. Tem também a rodovia Raposo Tavares, rodovia Fernão Dias, Avenida Paes de Barros e por ai vai.

É estranho que não vejo (pelo menos aqui em São Paulo) nenhuma grande avenida, ou rodovia com nomes como: Canga Zumba, Canga Zoa, Zumbi dos Palmares, João Candido entre outros que lutaram a favor da igualdade entre as raças.

Na época da escravidão, haviam três tipos de bandeirantes: Os Jesuítas que tinham a missão de catequizar índios e negros, os capitães do mato, que tinham a missão de capturar os escravos que fugiam e os bandeirantes do metal ou prospect, que tinham a difícil missão de recolher pedras preciosas das regiões de Minas Gerais, Mato-Grosso e Goiás.

Apesar da princesa Isabel ter assinado o fim da escravidão no Brasil, ela só o fez pois estava com birra de seu pai Pedro II. O fim da escravidão era iminente, mas ela antecipou de forma trágica, em plena crise dos cafeicultores. No dia 13 de maio de 1888 ela assinava a lei Áurea, que culminou diretamente no fim do império, que ocorreu no dia 15 de novembro de 1889.

Mas isso é coisa do passado, hoje é bem diferente, apesar de o negro ganhar menos, segundo dados do IBGE, hoje o negro tem até cota nas universidades públicas, para assim poder seguir uma carreira digna, longe da drogas e da criminalidade. Bonito isso, né?

Poesia a parte, essa história de destinar cotas para negros, índios e pessoas de baixa renda, nada mais é do que uma forma do governo “mascarar” a falta de investimento em educação. É muito mais fácil para o governo populista, criar uma cota para os menos favorecidos e, discursar sobre igualdade de oportunidades no Brasil, do que fazer um grande investimento na educação básica.

Cota em universidade é racismo, é discriminação, é chamar o preto, o índio e pobre de burro. Acabaram os analfabetos, porém todos os anos forman-se cada vez mais ignorantes em nosso país. Graças ao método de aprovação automática.

O acesso a cultura é fundamental para a base de qualquer país e, criando cotas não é o caminho para formar um cidadão e muito menos de acabar com a discriminação racial e social.

30 Comments:

Bruno Battousai said...

Eles tem olhos mas não vêem, tem ouvidos mas não ouvem.

Vemos mas ignoramos, ouvimos e nos esquecemos!

isso é a realidade aqui, não no Brasil, mas em todo o lugar, já foi dada a partida, não podemos mais parar!

Rosangela A. Santos said...

é mais que uma vergonha tudo isso que acontece .. e acredito só quando todos tomarem consciência que quem manda é o povo isso não vai mudar ...

adorei o post..

RodrigO [OsBunitãO] said...

Zumbi foi um grande herói e deve ser sempre reverenciado, cabe a todos nós brancos, negros e indios se unir e juntos acabar com a minoria que ainda tem preconceito no Brasil.

Anônimo said...

Legal.....

João (Grandes Obras da Engenharia) said...

Olá, primeiro obrigado pelo comentário no Grandes Obras da Engenharia, Portugal realmente possui incriveis pontes, gosto bastante da Ponte D. Luís.

Sobre teu blog, achei muito interessante e com textos de grande conteudo!

Agora, falando do post, vários pontos que achei interessante:
- sempre me questionei sobre tanta honra que é dada aos bandeirantes, porém é aquela velha história, pra quem tem o poder o direito de contar a história da forma que for mais conveniente.
- sobre cotas, sempre fui contra, e o que mais me deixa indignado que as medidas de base que é a principal mudança que deve ser realizada só que engatinha.

ps. a data da morte do Zumbi est'a invertida 1965, o correto e 1965.

Abraço

Marcelo said...

Nossa... registra em cartório que eu assino embaixo. Uma vez escrevi um post sobre cotas e teve uma meia dúzia de "politicamente corretos" que ficaram todo doído com o que falei. Que nada mais foi do que o que você falou.
A cota só tem função política, não funciona como mecanismo igualitário, pois o menino entra na faculdade e se senta ao lado o palyboy que estudou em colégio, particular, mas quando saem o garotão pega seu carro e vai para o condomínio fechado, o co(i)tado pega o busão e volta para a favela. A questão não é racial é social. O que exclui o cara da faculdade não é ser preto, pardo, branco ou índio... é ser pobre, estudar em escola pobre, andar de veículos pobres, comer mal... enfim, ter uma vida de privações...
Em uma canetada o governo faz todo mundo engolir que resolveu o problema... Enquanto isso, as escolas em que estudam negros, pardos, índios, brancos, sararás continuam caindo aos pedaços, sem professores, outros, mal pagos e desestimulados... mas todos sorriem com seus dentes falhos, pois a universidade é um sonho cada vez mais perto....
Perto de quem???

Leo Pinheiro said...

A cota é mais ou menos assim:

Vc é preto, pobre, estudou em colégio público e... Como nós não vamos melhorar nenhuma das suas realidades, vamos te dar uma esmola (ou propina) que é uma vaga não meritória numa Universidade Pública, que também não lhe acrescentará nada.

Auto-estima? Ah, se vc pensar em ter auto-estima melhorada na facul, desista. Lá vc será constantemente lembrado do 'favor' que seu governo lhe fez e será constantemente humilhado, tratado como um entruso.

Isso deveria ser lembrado não só no dia de Zumbi, mas todos os dias!

Iaiá said...

Concordo plenamente com você que o acesso à cultura é o melhor caminho. Infelizmente a falta de iniciativa em adquiri-la não é apenas por parte do governa, mas também de cada um. Uma solução talvez fosse um incentivo mais eficaz ao desenvolvimento de projetos que despertassem o interesse das pessoas em saber mais sobre a cultura, e não apenas projetos que levem demonstrações culturais.
Esse post me lembrou também uma faixa que eu vi hoje de manhã na rua, com o dizer: "VALEU ZUMBI". Fiquei horas rindo, imaginando essa frase dita para zumbi na época. :P~

Mente Inquieta said...

Realmente o sistema de cotas é complicado mas, se vc ver que tem muito "playboy" estudando em universidade publica por ter condições de pagar cursinho talvez a gnt entenda.

Que o que realemnte importa são os investimentos na educação básica todo mundo concorda mas, enqto não achamos a solução pra isso ( e acho que os governantes não estão nem aí com isso) o que fazer pelos os que tem menos condições?

Dificil.

Conheça o Blog e deixe seu comentario.

http://coerenciacontraditoria.blogspot.com

bjinhos

iti said...

grande heroi para a raça negra
vomos deixar o preconceito longe daqui ...


http://500x100.blogspot.com/

Caio Rudá said...

É difícil comentar sobre as cotas, porque se você tem um posicionamento contra será tido como preconceituoso, burguês. Mas o fato é que o preconceito está nas próprias cotas!

É clichê dizer que é preciso investir na educação, mas mesmo assim insisto e bato nessa tecla quantas vezes forem necessárias. Medidas como a reserva de vagas para x ou y não vão resolver nada, nem atuar como paliativo. Só prolonga esse problema crônico que temos em nosso país. E, é claro, essa é a intenção, por certo.

Caio Rudá said...

Só complementando: se o objetivo das cotas é também promover o bem-estar social, isso poderia ser feito através de idéias mais proveitosas, que dessem frutos a curto e longo prazo. Por exemplo, impostos mais baratos para pessoas de renda mais baixa, já que o retorno que elas têm (eu no meio, de certa forma) é pouco também.

Reporter x said...

Pra mim a cota gera mais racismo ainda, e o feriado? ah esse é totalmente racista
u.u

Nos Canos said...

nota 10.

Fábio Flora said...

Zumbi teria vergonha dessas cotas...

Tђαммy said...

Rapaz...que aula de história, por falar nisso descreveu muito bem a princesa Isabel...Tava de birra mesmo.
E realmente cota é preconceito, principalmente para os índios.Só não entendo um país como o nosso que teve como primeiros habitantes os indios ter esse preconceito fora do serio.
Ótimo post.Abraços

Airton said...

post bom cara
eu ja tinha passado aki gostei
se quize passa nu meu..tem coisa nova



http://publicandobr.blogspot.com/

Alexandre Silva said...

Cara, eu acho essa tal cota para negros o cúmulo do absurdo. Mas o pior, é o negro que se faz de coitadinho pra ganhar essas "ajudas" do governo. Faz tudo quanto à sua conveniência... o BraZileiro é muito hipócrita mesmo, falar isso é só chover no molhado.
A hipocrisia é tanta, que vc descreveu bem quanto a questão das rodovias: só nome de quem matava negros, índios e escravos. E se alguma avenida na Alemanha chamasse Adolf Hitler? Aí o BraZileir oia cair de pau pré-julgando os alemães como racistas fedorentos...mas ñ olham pro próprio umbigo... é foda
Abraço
http://falandoprasparedes.blogspot.com

Lufos said...

olá rapaz...muito bom seu blog e ótimo post...

"Cota em universidade é racismo, é discriminação, é chamar o preto, o índio e pobre de burro."

Sou contra essas cotas e tu disse tudo que tinha que ser dito nessa frase....abraço

http://teussinais.blogspot.com

Lucas said...

Excelente escolhade tema, com certeza Zumbi seria contra qualquer tipo de diferenciacao racial, principalmente as cotas. Flws!

Lidianne Andrade said...

aqui tb tem varios monumentos
legal seu blog
abs!

Gran Magic Carmesin: Nat Valarini said...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gran Magic Carmesin: Nat Valarini said...

Bom dia!

Gostei muito do seu texto, primeiro porque foi uma aula de história.

Segundo, porque é de uma sinceridade rasgada e muito bem escrita.

Quando o sistema de cotas começou a vigorar aqui no Distrito Federal, na Universidade de Brasília, eu ouvia muitas pessoas se referirem aos estudantes negros e mestiços como os alunos da cota, ou fazerem piadinhas que sem as cotas eles não seriam capazes. Resumindo, muitos estudantes conseguiram sim entrar na Universidade, porém a que preço?
O aumento do racismo?

Sim, muitos não dizem abertamente, mas o que eu vejo por aí é que aquele que não é branco caucasiano, é olhado com maus olhos nas instituições onde há cotas pelos outros estudantes. Realmente, não é dessa forma que o Brasil vai conseguir ter uma educação de qualidade.

Inclusive, o sistema é muito falho. Na UnB a alguns anos atrás dois irmãos gêmeos tentaram participar, apenas um foi considerado negro, o outro, gêmeo idêntico, não. Agora alguém acha que isso deva ser levado a sério?

O cidadão negro, índio, mestiço, branco, enfim, seja de qual raça for, deve receber uma educação de qualidade para concorrer a oportunidades através de sua capacidade e não por um favor de um governo hipócrita e burro.

Bjoks!


http://ocaoinfiel.blogspot.com/

Marcel said...

"Apesar da princesa Isabel ter assinado o fim da escravidão no Brasil, ela só o fez pois estava com birra de seu pai Pedro II."

Eu só não concordo com isso no seu post.

. said...

Zumbi é um grande ícone da história e é muito pouco lembrado, isso é chato pra cacete...

O sistema de cotas em Universidades é uma discriminação escancarada pra quem quiser ver, e tem gente que insiste em não querer ver... isso é foda

Marcel said...

Eu conheço essa versão, sobre a "bronca" da princesa com o pai. Apenas não concordo.

A História é muito imprecisa. Volta e meia uma nova descoberta põe em xeque tudo o que foi ensinado até então nas escolas. A Cleópatra, até pouco tempo, era a Afrodite do Egito, e hoje sabe-se que ela não era beeeem feia pros nossos atuais padrões de beleza (ou mesmo pros da época).

Também já estudei sobre a princesa Isabel. A ela nunca agradou a escravidão, mesmo porque ela possuía, ao que tudo indica, um pensamento a frente de sua época. O Brasil era um dos poucos que ainda insistiam, até então, nesse sistema. E... ao que me parece, ela tinha sim alguma idéia para o futuro dos negros libertos, mas muito pouco tempo depois da lei áurea proclamou-se a Répública e a família real foi escurraçada do Brasil. Um documento (carta) descoberto a pouco tempo, atribuído a princesa, poderia comprovar o que estou dizendo.

Mas não há como ter certeza de nada em se tratando de história. Tudo é uma hipótese.

Fernanda said...

Concordadíssimo. Cotas são muito mais desfavoráveis e discriminatórias para os negros do que a situação anterior. Fruto de um governo que começa pelo fim, que coloca remendo novo em odres velhos (para usar a imagem bíblica). Em vez de consertar a base, repara-se o telhado -- e espera-se que a casa não desabe. Que vergonha de tudo isso...

Tainá-O-Rama said...

Os negros, índios e estudantes de baixa renda reconhecem (porque vivem a realidade) que um ensino fundamental de qualidade é essencial para que qualquer pessoa tenha acesso ao mercado de trabalho.

Mas e enquanto este quadro não muda? Estes que não tiveram a chance de estudar em cursinhos e passar no vestibular ficam à margem da sociedade? São criminalizados?

A medida de Cotas em Universidades Públicas é uma medida à MÉDIO PRAZO, ou seja, não é solução pra nada e sim uma forma de não fazer crescer as estatísticas que apontam os pobres (que em sua grandíssima maioria são negros e índios) estão criminalizados.

Você, mostrando esse ponto de vista copiado e colado de jornais conservadores e pseudo-intelectualóides só fez afirmar a máxima de que "A educação forma o cidadão", já que a sua falta de conhecimento sobre o tema, sobre o que os desfavorecidos precisam para o momento, o fez escrever tal frivolidade. E ainda associou a imagem de Zumbi à seu "protesto" desinformado. PARABÉNS! ESTÁS PRONTO PARA SER UM JORNALISTA SENSACIONALISTA!!!!!

Tainá-O-Rama said...

As cotas não serão solução, NUNCA. São uma medida à médio prazo que vai ajudar a sanar o problema social e, principalmente, racial que este país enfrenta constante e violentamente.

Ensino fundamental de qualidade sim é a solução.

Tainá-O-Rama said...

Leia mais sobre a visão dos movimentos sociais negros sobre o tema. Alerto que movimentos governistas não lhe darão informações satisfatórias.

Percebo, lendo também os comentários, que muita gente simplesmente não sabe ou não entende a proposta das Cotas. Não é assim como vocês pintam, como vocês descrevem. NÃO BASTA SER NEGRO E PRONTO: ÉS UM UNIVERSITÁRIO.

Leia mais sobre a opinião de quem vive a realidade e luta pra transformá-la.
Faça isto antes de divulgar manifestos que serão lidos por mais de vinte pessoas. Suas idéias (que não são suas e sim reproduzidas sem crítica) podem interferir na idéia de outros, que também vão receber a informação sem criticar nada, como é o caso de muitos dos acima.

Abraços.

BlogBlogs.Com.Br