domingo, 20 de dezembro de 2009

Sou teu desespero


Eu me alimento de sua morte, teu sangue me sacia a sede
Garante-me a vida, de que tanto necessito
Eu sou a tua agonia, teu desespero
Saiu todas as noites dos confins da escuridão para te assombrar
Sou o motivo de sua insônia

Meus sussurros em teu ouvido noite adentram
Perturba-te sua paz por horas tão almejada, tão sonhada
Amedronta-te, te paralisa, te impede de dormir
Teu desespero é o que mais feliz
É o que justifica minha existência
Por horas tão insignificantes

Minhas cantigas te repelem,
Remexe-te dentro do seu abrigo
Chama-te de volta para o caos

Você deve estar curioso para saber quem sou eu
Pois te respondo com um prazer sádico
Que baila em meus lábios gélidos

Sou teu maior castigo, o teu pesadelo personificado
Sou aquele que não te deixará em paz
Nas noites quentes de verão
Sou eu, o Pernilongo!!!

3 Comments:

Aline Patrícia said...

Hahahahahahahaha
muito boa, ja vi alguns textos no estilo, mas esse não conhecia, nunca imaginava o final!

Boa noite

said...

Passando para desejar um FELIZ, FELIZ, FELIZ Natal!!!!
Hoje e sempre muita paz e amor!!!
Beijoss

Sampaiorama said...

Fooooooda mlk. Passei um tempo longe da blogsfera e que bom que continua, e bem melhor do que antes e sempre melhorando. Parabéns cara.

BlogBlogs.Com.Br